Um chamado à batalha

Mateus 6.9-13

“faça-se a tua vontade,” Mateus 6.10b

Na Palavra

Quando Jesus instruiu seus discípulos para orar para que a vontade de Deus fosse feita, ele não queria dizer que era algum tipo de fraca resignação para com alguma vontade misteriosa que não podemos compreender completamente. Nós frequentemente também utilizamos esta frase como uma restrição para aqueles que nos escutam, na verdade dizemos: “Eu não sei qual é a vontade de Deus, mas vamos ver se esta oração acerta o alvo.”

Não. Quando dizemos “faça-se a tua vontade”,  é para ser um ataque contra os portões do inferno. Esta é uma marcha ofensiva contra o mal neste mundo. Não há nada defensivo ou ambíguo nisto. Esta frase clama a Deus para que Ele faça seu Reino manifesto em território inimigo, retomando terreno que foi roubado pelo inimigo. Isto é específico e assertivo, é uma batalha declarada contra tudo que não é a vontade Dele. Isto é guerra.

 

Olhe para o Mestre que nos deu a instrução. Quando ele orou “faça-se a tua vontade”? Foi justamente antes da batalha mais importante contra a natureza humana e os poderes da escuridão – quando ele vislumbrava a cruz eminente no jardim do Getsemani. (Lucas 22.42)

Na Prática

Este pedido não deve ser uma declaração de nossa incerteza ou a frase politicamente correta no final de nossas orações que retira nossa vontade da situação. Nós estamos certos ao suspeitar de nossa própria vontade e nos submetermos à vontade do Pai. Mas ao mesmo tempo em que este pedido é uma submissão apropriada ao plano elevado que Ele tem, é muito mais. É um apelo consciente clamando para que venha o Reino de Deus de forma vitoriosa contra a hostilidade e depravação do nosso mundo. Nós não estamos apenas dizendo “não à minha vontade”, nós também estamos dizendo “não à vontade do inimigo”.

Aonde quer que uma tendência humana ou um mundo corrompido entre em conflito com a vontade revelada de Deus, nós devemos orar “faça-se a tua vontade”. Nós sabemos que a vontade de Deus diz a respeito de nossos próprios corações, pecados, mal e violência, salvação e muito mais. Seremos abertos a estas situações? Não. Jesus nos chama à batalha: Ore para que a vontade de Deus seja feita.

"A vontade de Deus não é um itinerário, mas uma atitute." Andrew Dhuse