Uma obsessão eterna

Mateus 6.9-13
“portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome;” Mateus 6.9

Na Palavra

Ocasionalmente no Antigo Testamento, Deus é citado como Pai, mas ele nunca é citado em oração como Pai. O início da oração tão intima de Jesus pode ter espantado seus ouvintes. Eles podem não ter ficado tão espantados ao ouvi-lo dizer “Meu Pai”, porque ele (claramente) tinha um relacionamento especial com o Todo-Poderoso. Mas instruir seus discípulos a chamar Deus desta maneira? Este nível de familiaridade fez Deus se tornar acessível e familiar – conceitos não tão fáceis para aqueles que adentraram na religião formal.

Assim que Jesus nos disse que a intimidade com Deus está disponível a nós, ele parece entrar em conflito com a transcendência superior e a singularidade de Deus – sua santidade. “Santificado seja Teu nome”, ele diz. Em duas breves frases ele captura a essência de nosso relacionamento com Deus. Ele é ao mesmo tempo íntimo e unfathomable; familiar, mas ainda assim misterioso. Mesmo que possamos conhecê-lo profundamente, nós nunca o conheceremos totalmente.
Nós frequentemente olhamos para esta introdução à oração do Senhor como um prelúdio, algo como que uma saudação de uma carta. Mas esta saudação é na verdade a substância da nossa fé. É intrigante e misteriosa. Nós ficamos esperando a parte boa da oração (a parte que vai falar sobre nós), mas esta introdução é a melhor parte. Ela contém as verdades que vão nos ocupar pela eternidade na presença dele. Ela captura ambos: a proximidade e a distância intocável de Deus. Nós iremos explorar mistérios como este por toda a eternidade, sempre crescendo em conhecimento intimo com ele, mas nunca chegando ao fim de uma bela nova descoberta.

Na Prática

Este verso é também frequentemente considerado a abertura formal da oração de Jesus, e nós tendemos torna-la formal. Nós não podemos permitir que isto aconteça. Esta será nossa obsessão eterna, a verdade que preenche o vazio de nossas almas. Medite nestas riquezas. O maior mandamento – amar nosso Pai superior com todo nosso ser – começa aqui.

 

“Nós somos chamados a ter Deus em nossas mentes eternamente” A.W. Tozer